Ministério cobra rigoroso cumprimentos das NR’s

O Ministério do Trabalho ressalta a importância do cumprimento das exigências contidas nas Normas Regulamentadoras (NRs) 07 (programa de controle médico e saúde ocupacional), 09 (programa de prevenção aos riscos ambientais e 17 (ergonomia), que têm foco na proteção da saúde de todos os trabalhadores, e da NR 32, implementada para garantir medidas de proteção dos
trabalhadores que atuam na área de saúde. “É indispensável que tanto empregadores quando trabalhadores conheçam bem essas Normas, como forma de preservar a segurança e a saúde dos trabalhadores. A Inspeção do Trabalho atua continuamente para garantir que as medidas de proteção sejam executadas de forma adequada pelas empresas”, afirma o auditor-fiscal do Trabalho, Jeferson Seidler, que atua noDepartamento de Segurança e Saúde da Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) do Ministério do Trabalho.
As ações previstas nessas normas devem ser totalmente integradas, com avaliação minuciosa dos riscos físicos, químicos, biológicos e das condições ergonômicas do trabalho, com planejamento e implantação de medidas de controle eficazes e o monitoramento médico de todos os trabalhadores. Cabe ao empregador fornecer aos trabalhadores instruções escritas e, se necessário, afixar cartazes sobre os procedimentos a serem adotados em caso de acidente ou incidente grave, informando sobre os riscos existentes, suas causas e as medidas preventivas a serem adotadas.
A Norma Regulamentadora 32 tem por finalidade estabelecer as diretrizes básicas para a implementação de medidas de proteção à segurança e à saúde dos trabalhadores em estabelecimentos de assistência à saúde, bem como daqueles que exercem atividades de promoção e assistência à saúde em geral.
Fonte: Revista Proteção
Publicado em 13/08/2017

Programa de inclusão de pessoas com deficiência

Incluindo pessoas com deficiência no ambiente de trabalho
A inclusão de forma ética visa respeitar as diferenças e reduzir as desigualdades sociais. A empresa tem importante papel em promover a igualdade e disponibilizar oportunidades para as pessoas com deficiência. Todas as empresa que possuírem 100 funcionários ou mais tem como obrigação a contratação de no mínimo 2% da equipe com pessoas com algum tipo de deficiência.
A porcentagem utilizada depende do número de funcionários da empresa, conforme tabela:
100 a 200 funcionários 2%
201 a 500 funcionários 3%
501 a 1000 funcionários 4%
1001 em diante 5%
Pessoas com deficiência são aquelas que possuem alguma limitação ou incapacidade para desenvolver suas atividades, elas podem ser:
Física: limitação total ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, congênito ou adquirido.
Auditiva: Perda auditiva bilateral (Parcial ou total).
Visual: Cegueira de um ou ambos os olhos.
Mental: Desempenho intelectual significativamente alterado.

Com esse programa o ambiente de trabalho fica muito mais humanizado gerando impactos positivos e motivação para os outros funcionários.

Dia Internacional de Combate às LER/Dort

Em 28 de fevereiro, celebra-se o Dia Internacional de Combate às LER/Dort (Lesões por Esforços Repetitivos/ Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho). A data chama atenção para este adoecimento que atinge milhões de brasileiros. Segundo a Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e divulgada em 2013, 3.568.095 pessoas com mais de 18 anos declararam ter recebido diagnóstico médico de LER/Dort. Esse número corresponde a 2,29% da população estimada pela pesquisa.

Quando se encontram incapacitados para o trabalho, os trabalhadores são encaminhados, geralmente, sem a emissão de CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho) ao INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).

Intensificação do trabalho

Apesar das conquistas normativas, as transformações do mundo do trabalho levaram a terceirizações, intensificação e ritmo acelerado de trabalho. Os trabalhadores sofrem com metas inatingíveis, avaliações de desempenho com repercussões sobre a remuneração, humilhações, sensação de impotência e assédio moral. As consequências à saúde vêm dos desgastes físicos e psíquicos a que são submetidos os trabalhadores.
Neste cenário, os processos produtivos e de serviços que mantêm a exigência de movimentos repetitivos se destacam na ocorrência de LER/Dort. Linhas de montagem e embalagem, frigoríficos, bancos, teleatendimento, entre outros, geram desgaste e ocorrência de afecções musculoesqueléticas crônicas, incapacitantes e acompanhadas de sofrimento e transtornos psíquicos.
É fundamental para se prevenir esse tipo de adoecimento que se alterem os fundamentos da gestão e organização do trabalho. O trabalhador precisa ter autonomia e seus limites respeitados. Seria necessário trilhar um caminho inverso ao que se vem construindo, pensando também na construção de políticas públicas e na preservação dos direitos sociais.

Fonte: http://fundacentro.gov.br/noticias/detalhe-da-noticia/2017/2/precarizacao-e-intensificacao-do-trabalho-ampliam-casos-de-lerdort